quarta-feira, 4 de abril de 2012

UMA OUTRA HISTÓRIA - A "INQUISIÇÃO" PROTESTANTE

Atenção! A matéria que se segue  não tem por objetivo desqualificar os Evangélicos (pessoas pelas quais tenho muito respeito e admiração), é apenas uma versão da História para um acontecimento que marcou a Igreja Católica da Idade Moderna. Também não tem por objetivo, comparar ou julgar os eventos ocorridos no passado das instituições religiosas. Se a matéria fere a credulidade de alguém, peço sinceras desculpas e afirmo que meu interesse não é esse. A matéria foi escrita por Angelo Adriano Farias de Assis (professor da Universidade Federal de Viçosa).

"Embora não houvesse a institucionalização de Tribunais similares aos do Santo Ofício, também foram usadas estratégias de controle de fé em locais em que o protestantismo era dominante."

"Na Alemanha, Martinho Lutero (1483-1546) exigiu perseguições  aos anabatistas, grupo cristão mais radical da Reforma, porque, entre outras questões, eles não aceitavam as regras da Igreja Evangélica e divergiam sobre o batismo. A discussão causou a expulsão, o encarceramento, a tortura e a excussão de milhares de pessoas. Lutero também divulgou textos com criticas aos judeus - embora sem maiores repercussões na época, estes escritos acabariam utilizados pela Alemanha nazista, em pleno século XX. 

João Calvino promovia confissões, denúncias, espionagens e visitas às residências levando muitos à prisão, tortura, ao julgamento e, em alguns casos à morte. O médico humanista Servet Griza foi preso, processado pelo Conselho presidido por Calvino e queimado por causa de provisões vistas como antibíblicas e heréticas, entre outras culpas. 

Na Inglaterra, uma verdadeira caça às bruxas levou à morte centenas de mulheres acusadas de feitiçaria"...

Fonte: Revista da Biblioteca Nacional

Nenhum comentário:

Postar um comentário