sexta-feira, 17 de agosto de 2012

POR TRAZ DOS DADOS HÁ EXPLICAÇÕES

A Escola Estadual João Tomás Neto, do município de Lagoa de Pedras, classificada pelo Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) como a pior escola do país, apesar de ter 36 anos de existência, nunca teve professor de matemática em seu quadro funcional e, até ano passado, tinha uma carência de onze professores. Em todo esse tempo, a escola vem fazendo paliativos com estagiários e, em anos anteriores, professores de disciplinas correlatas e de pedagogia assumiam a cadeira de matemática. O déficit de professores é apenas um dos grandes problemas que contribuem significativamente para a escola ostentar ainda altos índices de reprovação e evasão escolar. Ano passado, nas séries do 5º ao 9º ano, reprovou 29,2% dos seus 500 alunos, o pior registro dos últimos anos. Nesse mesmo período, a evasão chegou a 9,9% que, somados ao índice de transferência de 7,97%, mostram que quase 18% dos alunos deixaram a escola.

Os dados foram fornecidos pela diretora da Escola João Tomas Neto, Rosineide Sena, que assumiu o cargo este ano e já se deparou com essa situação... "É inadmissível que crianças e adolescentes terminem o ensino fundamental sem nunca ter conhecido um professor de matemática, a escola tem feito verdadeiros arranjos para cobrir essa deficiência. Isso implica não somente na avaliação do IDEB, mas sobretudo na vida escolar do aluno que pode ter comprometido seu futuro profissional", disse ela.

Outros problemas relatados pela diretora é a falta de um coordenador pedagógico e um planejamento direcionado para a Prova Brasil. O descaso com a escola era tão grande que dez computadores do Laboratório de informática, adquiridos em 2007, apesar de estarem devidamente instalados, só foram ativados este ano. A demora comprometeu várias peças das máquinas. Como fator positivo, Rosineide Sena relata que a escola vai começar a trabalhar por área de conhecimento e foi contemplada, este ano, com professores de outras disciplinas aprovados no último concurso da Secretaria Estadual de Educação, o que amenizou a situação.

"Chegaram dois professores de ciências biológicas, um de química, outro de língua portuguesa e estão vindo mais um de português e outro de geografia. Mas o problema com matemática ainda persiste, a escola tem deficiência de três professores da disciplina e mais três de educação física e, ainda de um espaço para a prática de esporte", disse a diretora, completando que antes de se culpar uma gestão é preciso destinar um olhar mais aguçado para os problemas da escola.
fonte: www.diariodenatal.com.br

Retirado do Blog do Professor Renier e editado por Cícero Lajes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário