quarta-feira, 20 de agosto de 2014

Nova espécie de serpente é descoberta em MG

De tamanho pequeno, aproximadamente 30 cm, a espécie foi identificada na Serra do Espinhaço, no Parque Nacional da Serra do Cipó

Atractus spinalis: nova espécie de serpente descoberta no Brasil
Crédito: Mauro Teixeira Junior
Uma nova espécie de serpente foi descoberta na Serra do Espinhaço, no Parque Nacional da Serra do Cipó, em Minas Gerais. O estudo que descobriu o novo réptil foi realizado por pesquisadores do Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), da Universidade de São Paulo (USP) e do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Repteis e Anfíbios (RAN-ICMBio), com o apoio da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza.
 
A oficialização da descoberta aconteceu em março do ano passado, com a publicação do artigo A new species ofAtractus (Serpentes: Dipsadidae) from Serra do Cipó, Espinhaço Range, Southeastern Brazil, with proposition of a new species group to the genus na revista Papéis Avulsos de Zoologia (USP).
 
A espécie Atractus spinalis pertence à família Dipsadidae. Ela leva esse nome porque o termospinalis deriva do latim spina, relacionado à espinha dorsal dos vertebrados e foi usado como referência à Cadeia do Espinhaço, conjunto de serras onde ela foi encontrada e cujo formato lembra uma espinha dorsal. De tamanho pequeno, com aproximadamente 30 centímetros, a nova espécie possui cauda curta e uma coloração avermelhada, com estrias escuras.
 
Segundo relato do biólogo Hugo Bonfim, um dos pesquisadores envolvidos no estudo, a espécie não oferece risco à saúde humana, sendo endêmica da região onde foi encontrada, que pertence ao Bioma Cerrado. Até o momento, os estudos do grau de ameaça de extinção dessa nova espécie não foram concluídos.
 
“A descoberta de uma nova espécie constitui um passo necessário para a ciência e possui um caráter de base, pois marca o início da possibilidade da implementação de medidas de conservação para uma novo animal ou planta até então desconhecido aos olhos da ciência e, por isso mesmo, não priorizado em políticas públicas de conservação”, afirma a diretora executiva da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, Malu Nunes.
 
Nova espécie terá estratégias públicas para sua conservação
A nova espécie tem ações para sua proteção contempladas no Plano Nacional de Conservação de Répteis e Anfíbios Ameaçados de Extinção na Serra do Espinhaço, que foi elaborado pelo RAN-ICMBio, com apoio financeiro da Fundação Grupo Boticário e do Projeto de Conservação e Utilização Sustentável da Diversidade Biológica Brasileira (PROBIO). Com previsão para estar concluído dentro de cinco anos, esse plano visa à implementação de ações que propiciem a redução de ameaças às espécies, o aumento do conhecimento sobre elas e também a conservação dos seus habitats.
 
Segundo a Sociedade Brasileira de Herpetologia, o Brasil possui 1.815 espécies de répteis e anfíbios. No entanto, segundo Bonfim, esse número continua crescendo a cada ano à medida que novas áreas vão sendo incluídas nas pesquisas científicas. “Nosso conhecimento sobre a diversidade brasileira ainda é pequeno, principalmente quando migramos para áreas de difícil acesso, como é o caso da Serra do Espinhaço. Por isso, investir em pesquisa científica é indispensável para a descoberta de novas espécies e também para identificar as ameaças às já descritas”, diz Bonfim, que há dez anos se dedica à herpetologia – estudo dos répteis e anfíbios – pelo RAN-ICMBio.
 
Fonte: http://www.fundacaogrupoboticario.org.br/pt/Noticias/Pages/Nova-especie-de-serpente-e-descoberta-em-MG.aspx

Nenhum comentário:

Postar um comentário