sexta-feira, 13 de novembro de 2015

Novas aventuras de Ojuara e Chico Doido

Yuno Silva
Repórter

O fanfarrão Ojuara, aquele das pelejas, planeja voltar às telonas em breve. A novidade, até então desconhecida inclusive para Nei Leandro de Castro, autor do livro “As pelejas de Ojuara” adaptado para o cinema em 2007 sob o título “O Homem que desafiou o Diabo”, foi informada pelo ator Leon Góes, que viveu o Corcunda do castelo da Mãe de Pantanha (Flávia Alessandra) no filme e cruzou o caminho do anti-herói interpretado por Marcos Palmeira.

Divulgação
Marcos Palmeira e Leon Góes em cena de O Homem que desafiou o Diabo, longa adaptado do livro de Nei Leandro de Castro. Com produção de Luís Carlos Barreto, a segunda parte está em fase de captação

A continuação, cujo roteiro já está pronto, segue Ojuara e o Corcunda pelo Sertão potiguar em busca de aventuras nos moldes de outra dupla famosa: Dom Quixote e Sancho Pança, personagens do escritor espanhol Miguel de Cervantes (1547-1616). 

“Estou sabendo agora”, disse por telefone ao VIVER o publicitário, poeta e escritor potiguar Nei Leandro de Castro. “O Moacyr fez um bom roteiro no primeiro filme e não terá dificuldade de fazer outro. Mas nem vou entrar nessa história, sei que devo ter algum direito autoral”, ressaltou Nei, que no momento não tem nenhum novo projeto literário em andamento.

Roteiro e direção continuam nas mãos de Moacyr Góes, irmão de Leon. Ambos nasceram em Natal, mas moram no Rio de Janeiro desde a década de 1960 quando o pai, o educador Moacyr de Góes (1930-2009), secretário Municipal de Educação na gestão do prefeito Djalma Maranhão (1915-1971) e responsável pelo revolucionário programa de alfabetização “De pé no chão também se aprende a ler”, foi cassado.

“Ninguém sabe disso ainda (da continuação do filme), mas também não é segredo. Por enquanto 'O Homem que desafiou o Diabo 2' ainda é só roteiro e projeto. Marcos Palmeira já topou e o Barretão está entusiasmado, o projeto é dele. O que está faltando é a grana”, disse o ator. De acordo com Leon, Luiz Carlos Barreto, da produtora L.C. Barreto (empresa responsável por filmes como “Terra em Transe”, “Dona Flor e seus dois maridos”, “Bye Bye Brazil”, “Luzia Homem”, “Ele, o Boto”, “O Quatrilho”, “O Que É Isso, Companheiro?” e “O Caminho das Nuvens”), pretende gravar todas as cenas no RN com participação de elenco local.

Matéria completa em Tribuna do Norte

Nenhum comentário:

Postar um comentário